Curiosidades sobre Comix Zone

A zona esquecida da Sega

Comix Zone é um jogaço de 95 da SEGA, que infelizmente foi lançado na pior hora possível. Um ilustre desconhecido de muita gente, digamos assim.

Tem muita coisa interessante sobre esse game, então eu preparei uma lista de curiosidades esse clássico esquecido do Mega Drive.

✨👉 A história de como Comix Zone foi feito está no Youtube 👊

Tudo em Comix Zone quer acabar com a sua raça!

Durante a jogatina, em diversas ocasiões, o jogador vai notar a barra de vida diminuindo por razões que não são obvias.

Por exemplo, se tem uma porta trancada no seu caminho, o jeito é usar a brutalidade para abrir. Mas ao bater na porta, Sketch também recebe dano.

A explicação para isso é ainda menos óbvia. Porque tudo no game é feito de papel, destruir parte do mundo também afeta a energia vital do Sketch Turner. Bom saber.

Comix Zone tem Diferenças Regionais

Por ser um videogame japonês, normalmente o caminho de desenvolvimento dos games é do Japão para o resto do mundo.

No entanto, esse é um jogo desenvolvido pela Sega Americana, e fez o caminho inverso. Ele partiu dos Estados unidos para o restante do mundo.

Uma das diferenças regionais, fica por conta da tela de abertura do game.

Comix zone diferenças regionais

Na versão americana e europeia, o logo da Sega aparece em Branco, já na versão japonesa, aparece em azul.

As capas japonesas e americanas.

Comix Zone é Curto e Grosso!

Com apenas seis fases, esse é um jogo bem curto. Vai ver por isso foi feito tão difícil, para fazer render o caldo do feijão.

O jogador tem apenas três vidas durante toda partida. Se morrer antes de alcançar o terceiro mundo, tem que começar tudo de novo, no início da primeira fase. Ouch!

Aviões de Papel são armas

Por tudo ser feito de papel, Sketch Turner tem a capacidade de rasgar parte do cenário de fundo, e transforma-lo em pontudos aviões de papel, perfeito para cutucar inimigos.

✨👉 A história de como Comix Zone foi feito está no Youtube 👊

Por Ed Topzero

Eu não sou um jornalista, nem um documentarista. Sou um nerd tetudo que sabe que videogame é uma das melhores coisas da vida.