Episódios

Back to the Passado:1988 com Edson Godoy e Mozart ao Cubo

Ficha Técnica

Data de lançamento:19/11/2018
Episódio: 69
Convidados: Edson Godoy VGDB
Link para o vídeo: https://youtu.be/RdFPHM8WROc

Roteiro

Em 1988 um vigilante noturno combatia o crime pelas ruas de Mato Grosso do Sul. Rugidos eram ouvidos noite adentro. Esse vigilante ficou conhecido como Jaguatiman.

A gravação que você vai assistir agora é uma cópia das câmeras de segurança do 64º DP de Mato Grosso do Sul.

Essa foi a única vez que Jaguatiman se deixou gravar em filme e o único registro de sua existência. Infelizmente ele usou alguma tecnologia que escondeu seu rosto.

A suspeita é que Jaguatiman era um homem da lei, mas sua identidade jamais foi descoberta.

Corre um rumor que existe uma outra versão dessa gravação, sem cortes ou codificação, mas nunca foi encontrada.

2018 – presente atual
O vigilante conhecido por Jaguatiman é Edson Godoy. Com o meu Iphone adquirido em 12x na Fast Shop consegui decodificar o vídeo e descobrir a identidade do malfeitor. Justiça foi feita. Disse o General.

1988 – o 64º Distrito polícial de mato grosso do sul foi invadido durante a noite. Apenas um vídeo de segurança foi levado.

2018 – Novo presente
Inaugurado em Mato Grosso do Sul o Museu Jaguatiman em homenagem aos 30 anos da última aparição do vigilante nas ruas da cidade. “Um absurdo! Lutarei com todas minhas forças para fechar esse museu e descobrir quem é esse esse vilão chamado de Jaguatiman!”

Ed a casa caiu, preciso da sua ajuda. Preciso ir back to the passado, 1988 precisamente. Ok, me encontre no estacionamento.

teaser 1

Quem é Edson Godoy.

Colecionador do Pantanal, Fundador do VGDB, Uma mistura de homem, mulher, pai, mãe e filho em uma só pessoa com tendências heróicas, faro para justiça e um incrível mal gosto para jogos. Esse é Edson Godoy, o convidado dessa semana de Back to the Passado no canal aperte start, Viajamos no tempo pelos anos dos videogames. segunda-feira dia 19 de novembro às 13h, com premiere no YT às 12h45.

Anteriormente em Back to the passado…
Alexandre Bastos cansado de ser apenas um coadjuvante no universo dos videogames, viajou no tempo para 1985 e inspirou a criação do personagem Terry Bogard de Fatal Fury baseado em sua pessoa. Link para o episódio de estréia nos cards e na descrição. Fique agora com o novo episódio de Back to the Passado…

Anterior
Onde você estava em 1988?

O Brasil ganhava uma nova constituição ao mesmo tempo que passava a novela Vale Tudo na TV, quem matou Odete Roitman? No cinema tava rolando Duro de Matar e Quero ser grande, guns’n roses tocavam sweet child o mine e Airton Sena era campeão mundial de fórmula 1 pela primeira vez. Mas e os videogames?

Blaster Master

Blaster Master é um exclusivo do nintendinho e é um daqueles jogos que você joga simplesmente porque é divertido, já que a história do jogo não tem pé nem cabeça. Pelo menos na versão americana, a versão japonesa tem uma trama interplanetária tão doida quanto e um nome bem mais complicado (Chô Wakusei Senki Metafight ), mas na boa, tanto faz qual versão você jogue, porque Blaster Master é bom de qualquer jeito. A Sunsoft no auge da sua vida fez muitos jogos de qualidade para o Nintendinho. Blaster Master mistura dois modos de jogo, dentro do tanque é um jogo de plataforma lateral e fora dele é um jogo visto por cima. Eu vou arriscar dizer que foi um jogo a frente do seu tempo, um jogo de exploração não linear, sabe aquele termo metroidvania, então é um desses. Teu progresso no jogo é condicionado a visitar e revisitar fases, você é livre para andar por aí descobrir o mundo de blaster master do seu jeito. Curioso que esse jogo fez mais sucesso no Estados Unidos do que no japão, mesmo com a história toscona do menino que segue o sapo no buraco. Um dos grandes trunfos desse e de muitos outros jogos da Sunsoft é a música. Meu deus essa empresa sabia fazer músicas incríveis no Nintendinho. Anota aí, Naoki Kodaka, esse é o cara das músicas sensacionais. E eu acho que você precisa jogar blaster master nem que seja só para ficar ouvindo as músicas.

Chase HQ

Você já brincou de polícia e ladrão alguma vez na vida? Chase HQ é um jogo do arcade da taito, que mistura corrida e perseguição ao mesmo tempo, vai claramente no embalo do Out Run, mas isso não é demérito algum porque o jogo pegou tudo que tinha de bom em Out Run mas deu sua própria cara. Você vai ter que dirigir o mais rápido que puder e evitar colidir em todos os outros carros, menos um. Teu objetivo em cada fase é capturar o bandidão da vez, colidindo seu carro com o dele até que ele seja obrigado a parar e você efetue a prisão. Chase HQ foi lançado em uma época em que os computadores e videogames domésticos apenas sonhavam em fazer jogos de corrida parecidos com o arcade. Não que você não possa se divertir com as versões caseiras, Chase HQ saiu para praticamente todos computadores e videogames, mas a versão que você realmente vai querer jogar é a do arcade mesmo. Se você tiver a chance, o Playstation 2 tem uma compilação chamada Taito Memories volume 2 que tem a versão arcade do Chase HQ nela. É um jogo muito rápido, bonito e divertido para que curte jogos de corrida.

Double Dragon de Nes
Vou contar pra vocês um pouquinho sobre a minha história e também sobre o game lançado em 1988 e que me marcou demais: Double Dragon do nintendinho, que é provavelmente uma das versões mais criticadas do jogo, ganhando inclusive o apelido de “mono dragon”, por não permitir dois jogadores simultaneamente no modo beat’em up. Apesar de lançado em 1988, só fui conhecer o game anos depois, após ter ficado maluco jogando a continuação dele no NES: Double Dragon II: the revenge, um jogo incrível que para muitos ficou melhor inclusive que a versão arcade. Após terminar o jogo, que tirando umas plataformas bem sacanas, não trazia tanta dificuldade, jogar o antecessor dele virou uma obsessão. Após ganhar o tão sonhado jogo de presente de natal, comecei a saga para me tornar o verdadeiro Double Dragon – ah, as fantasias das crianças… que maravilha… ao começar a jogar a decepção veio rápido: além de não permitir dois jogadores, os gráficos eram inferiores à continuação e o jogo tinha um sistema de evolução do personagem, inédito até então na franquia, que ia liberando mais golpes à medida que o jogador evoluia. Mas eu era uma criança ansiosa, que queria dar todos os golpes logo de cara, pô! Após um leve período de frustração, aos poucos eu percebi que não conseguia desgrudar do game. Apesar dos defeitos, a dificuldade dele, muito maior que no segundo jogo, me fazia sempre tentar de novo, em busca de zerar mais esse joguinho. Após me tornar o verdadeiro Double Dragon, digo sem medo de que Double Dragon do Nintendinho foi uma das melhores experiências de beat’em up que tive nessa minha vida de mais de trinta anos como jogador.

Splatterhouse
Você já assistiu sexta-feira 13? É, aquele franquia do carinha com a máscara de hockey que sai por aí tocando o terror com um facão. A Namco fez um videogame disso, foi uma bela duma chupinhada na idéia, mas fez bem feito então todo mundo perdoa o plágio. Você controla o Jason e tem que passar o facão em todo mundo. Não não, mentira, splatterhouse tem sua própria história. A parada é a seguinte, você e sua namorada vão se abrigar de uma tempestade justamente na mansão do terror conhecida como Splatterhouse. Que coisa. Aí sua namorada é sequestrada, você morre e é ressuscitado pela “Hell Mask”. Que parece uma máscara de Hockey, mas na verdade é um artefato maia super poderoso que te transforma num monstrão mutante e agora você vai tocar o terror para salvar sua namorada. Agora eu te pergunto, como não jogar esse jogo? Eu to quase largando o vídeo pra ir jogar. Quase. Splatterhouse é um beat’em up, um jogo de porrada, com tema terrorífico, violento e sangrento, com gráficos e músicas nota 10. O jogabilidade pode ser meio simples demais para os padrões atuais mas nem por isso deixa de ser muito divertido. Splatterhouse é um jogo meio raro, saiu para sistemas menos conhecidos como o FM-Towns e o PC-Engine, mas se vc quiser jogar ele hoje de forma legítima, no remake de Splatterhouse de 2010 que saiu para x360 e ps3, você pode destravar a versão arcade com extra e também está incluso no Namco Museum para o Nintendo Switch.

Despedida
E se você chegou até aqui é porque curtiu, e se curtiu inscreva-se no canal para não perder nenhum episódio de back to the passado, toda segunda feira às 13h com a premiere começando meio dia e 45 minutos aqui no canal aperte start. Quero agradecer a participação do Edson Godoy, do Mozart ao Cubo e você por estar aqui assistindo. E eu vou te fazer uma pergunta, se você pudesse ir back to the passado, para qual ano iria? qual jogo você quer rever? Deixa aí nos comentários, quem sabe você não é o próximo convidado para ir Back to the passado? Eu sou Ed e até o próximo episódio porque a aventura continua. Tchau!

chamada
Ei ei, é hoje heim, daqui a pouco tem episódio novo do back to the passado, lá no canal aperte start. às 13h com premiere a partir de meio dia e 45. Com a participação do Edson Godoy, do Mozart ao cubo, tá imperdível, te vejo lá!

No segundo episódio de Back to the Passado viajamos no tempo para o ano de 1988, com a participação especial de Edson Godoy e Mozart ao Cubo como “O General”.

Back to the Passado é o quadro super nostálgico do Canal Aperte Start, viajamos no tempo pelos anos dos videogames, toda segunda-feira às 13h com première à partir das 12h45.

Muito pouco se sabe sobre a origem de Jaguatiman. Uma criatura de hábitos noturnos. Olhar penetrante e temperamental. Sua reprodução é um mistério. Não gosta de cativeiro e é um defensor da liberdade. Agressivo e exímio lutador. Herói para muitos, para outros uma ameaça.

Esse foi o back to the passado 1982 com a participação muito especial do Marcus Garret que foi um parceiraço na produção desse episódio, e se você curtiu não esqueça de se inscrever no canal toda segunda feira tem um episódio novo de back to the passado, eu sou o ed e aventura continua, tchau!

altered beast

A primeira vez que vi altered beast foi no computador amiga. Na MSX projetos, a loja que eu gravava meus jogos de amiga, me falaram que havia chego um jogo que vc virava lobisomem e outros bichos e eu fiquei intrigado e pedi pra ver. Infelizmente conversão de arcade no amiga sabe como é né, em geral sempre meia boca ou péssimo, mas como era um jogo vindo do arcade criou a expectativa que poderia ser bem melhor do que eu estava vendo ali. Muito tempo depois eu vi a versão do arcade em um fliperama lá no bairro da liberdade em São Paulo. Aí sim eu vi o verdadeiro jogo e na época me impressionou bastante. As sprites, eram gigantes na tela, vozes digitalizadas e animações muito legais, especialmente nas transformações. A história de Altered Beast não é o forte do jogo. Zeus ressuscita um guerreiro e dá a ele o poder de se transformar em feras para resgatar sua filha Athena das mãos do Deus Demônio do submundo chamado Neff. Você controla esse guerreiro, coleta os power ups e vira feras diferentes de acordo com a fase. É um jogo bem simples na verdade, de scroll lateral, poucos golpes, meio curto mas diverte. Foi portado para muitos computadores e videogames diferentes, e a versão que ficou mais conhecida foi a do Mega Drive que durante um bom tempo foi o jogo que acompanhava o videogame. A versão do mega não é ruim, mas a versão que você vai querer jogar é a do arcade, que está disponível em duas compilações, Sega Genesis Collection and Sonic’s Ultimate Genesis Collection.

Jaguatiman, o videogame. Você é jaguatiman, viva a aventura felina combatendo o crime pelas ruas de mato grosso do sul acompanhado de seu assistente de calças apertadas demais para uma circulação saudável.

Valeu Godoy e obrigado pra vc que ficou até o final, Back to the passado é uma série do canal aperte start que transborda nostalgia e muito videogame, toda segunda feira tem episódio novo. Se vc gostou já pode até maratonar que tem mais um monte te esperando lá, então não deixe de se inscrever no canal para não perder nada. Eu sou o ED e a aventura continua, Tchau.