Episódios

Back to the Passado: 1993 com Mauhard

Back to the Passado: 1993

Ficha Técnica

Data de lançamento:11/12/2018
Episódio: 72
Convidados: Maurício Silvério (mauhard/retrohard)
Link para o vídeo: https://youtu.be/dyU5fhBYqrQ

Roteiro

[1]
E ae Du? Cara você sabe que eu sou um cara HARD, sou HARD no meu canal, no meu trabalho e sou HARD nas coisas que eu quero. Mas tem uma coisa que eu sempre quis e nunca conseguir realizar, mas agora eu sei que você pode me ajudar. Eu quero conhecer o Jurassic Park pessoalmente, quero ir back to the passado para 1993. Bora?

[2]
Maaaaaano esse lugar é incrível!

[3]
Olha isso, vou tirar uma selfie agora pro retrohard!

[4]
Du du du, vambora cara, me tira daqui, o T-Rex comeu meu amigo, tá HARD aqui.

[5]
Meu deus que coisa mais fofa, quero levar um pra mim, fofura HARD.

[6]
Nossa, preciso ver isso de perto.

[7]
É vai ser HARD.

[8]
Corre Du, Corre Du!!

[9]
ah não Du, vamos ficar só mais um pouquinho vai cara.

[10]
Valeu, valeu muito Du, nunca imaginei que ia poder ir back to the passado um dia, e agora sim consegui tudo que eu queria.

[11]
O que o Du não sabe é que eu trouxe uma lembrancinha comigo. Agora ninguém segura o Retrohard.

[12]
Eu sei o que fazer, já vi esse filme muitas vezes!

[13]
Rex, rex, olha pra mim!

Day of the tentacle

No começo da década de noventa, os jogos de aventura point and click viviam o seu auge e eram referência dos jogos de PC. Muitas empresas faziam jogos nesse gênero, mas uma delas se destacava muito mais que as outras, essa empresa era a Lucas Arts. Day of the Tentacle é o melhor jogo dela dessa época. É a continuação de um outro jogo chamado Maniac Mansion que saiu até para o nintendinho inclusive. É a história do Dr, Fred, um cientista maluco que cria criaturas em formato de tentáculos inteligentes, inocentes até que um tentáculo roxo consome lixo tóxico, fica muito esperta e resolve que vai conquistar o mundo, quem nunca? E o plano do tentáculo roxo é tão bom que a única forma de para-lo é voltar no tempo e desligar a máquina que criou o lixo tóxico que ele consumiu e assim evitar que ele fique super inteligente. Aí entram os heróis do jogo Bernard, Lavern e Hogie. Que graças a um mal funcionamento da máquina do tempo do Dr. Fred são separados em épocas diferentes, e a partir daí cada um tem que resolver seus próprios puzzles e interagir com os demais para retornar para o presente novamente e dar fim ao plano do tentáculo roxo do mal. É um jogo que envolve viagem no tempo, como é que eu não ia gostar? Mas além disso é uma obra de arte da época, gráficos belíssimos, coloridos, muito animados, um roteiro muito bem escrito e cheio de humor e claro que não podia faltar os puzzles com soluções completamente non-sense que era uma característica marcante dos jogos point’n click daquela época. Day of the tentacle fez muito sucesso e recentemente ganhou um remaster com portes para o Playstation 4, PC, Mac, Vita e dispositivos móveis, imperdível.

Doom

Dá para saber que um jogo ganha status de lenda quando ele se torna referência no gênero que ajudou a construir. O Doom original, o primeiro Doom de 1993 foi minha segunda experiência com jogo de tiro em primeira pessoa, hoje conhecido como FPS ou first person shooter. Antes dele eu tinha jogado o Wolfenstein 3D, que também era legal e serviu para mostrar que o PC também era capaz de ter jogos de ação, mais no estilo arcade como nos videogames. Doom é um marco daquela época, rápido, violento e brutal e com um visual pseudo 3d, é meio confuso, é um mundo em três dimensões porém projetado apenas em duas. Tem algumas limitações, como por exemplo vc está sempre posicionado no meio da tela, mas ainda assim foi a experiência mais imersiva que tive na época. Eu disse que o jogo é brutal né? É você cara a cara com a horda de demônios. E vale tudo para acabar com a raça deles. Metralhadora rotatória, shotgun, muita das armas que são populares nos jogos de hoje apareceram de uma forma ou de outra em Doom. Doom é provavelmente um dos jogos mais populares do planeta, foi portado para tudo. TUDO mesmo, desde videogames e computadores até calculadoras científicas e outras bizarrices. Também foi em Doom que a jogatina multiplayer começou a ganhar força e popularidade, Doom permitia que vc se conectasse via linha de telefone diretamente no computador de um amigo e aí já rolava um player versus player, só quem não gostava disso era meu pai pq a linha de telefone ficava ocupada noite a dentro.

Ridge Racer

Nos anos 90 os arcades ganharam um vida nova graças ao avanço da tecnologia, que agora dava asas a imaginação dos desenvolvedores com o do poder gráfico poligonal e texturas em 3 dimensões. Os joguinhos de sprites saiam de cena para dar lugar aos mundos 3D. Uma troca que nem sempre foi bem sucedida, mas teve um gênero que se deu muito bem nessa, que foram os jogos de corrida, e foi nessa leva que apareceu Ridge Racer da Namco. A razão pela qual eu inclui RIdge Racer nesse episódio é pq ele é um jogo que foi muito influente e é uma daquelas séries que resistem ao tempo e gerou algumas dezenas de jogos entre títulos de arcade, consoles e portáteis. A primeira vez que vi Ridge Racer foi na vitrine da Brinquedos Laura lá no Shopping Morumbi, rodando em um playstation. O que mais me impressionou foi a fluidez e a velocidade do gráficos do jogo. Mais tarde eu conheci a versão do arcade e realmente eram muito parecidas. O jogo é basicamente você largando em último lugar e tem que dar um certo número de voltas na pista para chegar em primeiro lugar ao mesmo tempo que luta contra o relógio. Como o que liga é a velocidade, o jogo oferece o drift, que é aquela derrapada de lado em alta velocidade nas curvas. Ridge racer foi um jogo muito bem recebido pelo público, e se quiser jogar o original, a versão do playstation é forma mais acessível financeiramente, inclusive foi um dos jogos de lançamento do playstation e um dos diferenciais que contribuiu o seu sucesso

Duck Tales 2

A Capcom fez uma parceria com a Disney durante a era do nintendinho e super nintendo que gerou muitos títulos que fizeram história. Um desses títulos é Duck Tales 2. Duck Tales é o nome americano do personagem que conhecemos aqui como Tio Patinhas. É um jogo de plataforma não linear, que quer dizer que você pode escolher as fases que vai jogar sem seguir uma ordem pré definida. Vale a pena mencionar que Duck Tales 2 não é baseado nos quadrinhos, mas na série de desenho animado, aquela mesmo que passava aqui no Brasil no SBT, e curiosamente saiu três anos depois que a série terminou. O jogo foi muito bem recebido, mas não foi um sucesso absoluto de vendas devido a sua tiragem que já foi mais limitada e também ao fato que saiu perto do fim da vida do Nintendinho. Mas nada disso faz o jogo ser menos divertido ou interessante. A história do jogo é aquela básica da caça ao tesouro, Tio Patinhas sai em mais uma expedição para fazer crescer sua fortuna e viaja por diferentes partes do mundo, pelo egito, triângulo das bermudas e várias outros lugares, e vai juntando pedaços do mapa para encontrar a localização do tesouro. Um dos artistas principais de Duck Tales 2 foi ninguém menos que Keiji Inafune, é aquele mesmo do Resident Evil. Infelizmente o cartucho tá cada vez mais caro e raro de encontrar, mas esse jogo está em uma coletânea chamada The Disney Afternoon Collection que saiu em 2017 para PC, PS4 e Xbox One. E acabei de dar uma olhada no STEAM, essa coleção tá saindo por 40 reais e ainda vem com mais cinco jogos que são Chip ‘n Dale Rescue Rangers 1 e 2, DuckTales, Darkwing Duck e Talespin, corre lá.

Metamorphic Force

Manja do gênero beatn’up? Aqueles jogos de dar porrada geral, estilo double dragon e final fight. Metamorphic Force foi um dos últimos jogos do gênero que a Konami produziu e é um que infelizmente ficou exclusivo para os arcades porque seria muito massa ter ele para jogar no mega ou no super nintendo. A história de Metamorphic Force já estamos cansados de saber. Surgiu um novo grande mal no mundo e em seguida surgem os heróis para combate-los. Essas histórias de uma linha são as melhores kkk mas vamos dar nome aos bois, o grande mal da vez que saiu diretamente do reino dos mortos para conquistar o mundo é o Death Shadow. E quatro heróis do jogo foram evocados pela Deusa Athena e cada um deles tem o poder de se transformar em criaturas antropomórficas para combater o mal. Antropomórficas quer dizer que é metade homem, metade algum outro animal. Tipo lobisomem. Que aliás é um dos personagens, os outros três são o minotauro, ursão e pantera negra. Tem um outro jogo da sega que usa um gimmic parecido heim? Alguém aí não conhece Altered Beast? Mas Metamorphic force é um jogo bem melhor, eu acho. Ele vai no embalo dos últimos jogos que a konami produziu na época com o X-men. Metamorphic force é um jogo bem divertido, todos os inimigos seguem a mesma linha de ser metade algum bicho, então tem variedade suficiente para segurar tua atenção até o fim do jogo. Infelizmente esse é um daqueles casos que não tem nem em coletânea para jogar, então salvo gastar uma pequena fortuna na placa original do arcade, resta apelar para a emulação no MAME por exemplo. Mas vale a pena conhecer.

No episódio anterior de Back to the passado…Bruno Auriema o VUDU viajou no tempo para 1989 para realizar seu sonho de infância, treinar e ser um lutador de kickbox. E muito também tem muito videogame claro, links para o episódio anterior nos cards e na descrição. Fiquei agora com mais um episódio de Back to the Passado…

Quem é Maurício Silvério, o mauhard? Um homem bruto, porém sensível. Influenciador digital, ávido consumidor de coca cola, já conquistou até um sanduíche com seu próprio nome na hamburgeria Le Burger, mauhard consome mauhard. Rei das redes sociais, sonha em desbancar Bruna Marquezine em números de seguidores no instagram, E talvez nem tudo isso seja verdade mas ele tá me ligando agora, faaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaala mau!

Como era o mundo em 1993?

o fusca voltava a ser fabricado no brasil, o baixinho Romário classificava a seleção para a copa do mundo de 94, Michael Jackson e Madonna vieram ao Brasil fazer shows no estádio do morumbi, no cinema estreavam os sensacionais Jurassic Park, O Fugitivo e O feitiço do Tempo e na tv estreava o primeiro episódio de POWER RANGERS, mas e os videogames?

Muito obrigado para você que assistiu até o final, e se vc curtiu o episódio não esquece de deixar aquele like, e compartilhar com os seus amigos. Também tenho que agradecer o Mauhard pela parceria incrível. E se vc pudesse ir back to the passado para qual ano iria, qual videogame iria jogar, deixa aí nos comentários pq vc pode ser o próximo a viajar Back to the passado. Eu sou o Ed e a aventura continua, tchau!